Review do TextNut

Há algum tempo, publiquei um post comentando sobre o TextNut, o aplicativo que utilizo para escrever meus posts neste e em outros blogs.

Depois que desistí do Desk PM, devido a inúmeros bugs e falta de suporte do desenvolvedor, eu tenho usado o TextNut com bastante frequência; conhecí algumas de suas limitações, me deparei com alguns bugs e pude interagir com seu desenvolvedor, que é extramente prestativo e assertivo. Resolví então fazer este post mais detalhado, apresentado as telas do programa e sugestões de utilização.

Continue lendo “Review do TextNut”

Mania de comprar domínios de internet

Noutro dia eu lí um artigo interessante no Medium sobre uma pessoa que tem compulsão por comprar domínios de internet; achei engraçado por que eu também, às vezes, me pego pesquisando nomes de domínios em sites de registro; infelizmente, ou felizmente, devido ao valor do dolar eu tenho que segurar minha vontade de sair registrando domínios à torto e a direito (mas a namecheap oferece domínios por 88 centavos de dólar e aí fica mais difícil resistir; o domínio www.3dimensoes.xyz, por exemplo, é meu).

Continue lendo “Mania de comprar domínios de internet”

Benefícios como estratégia de atração, retenção e motivação

Um colega me confidenciou ter recebido uma proposta de trabalho de outra empresa, que parecia ser tentadora; ele continuaria atuando na sua área de preferência, com salário em dólares e trabalhando integralmente em home-office.

Durante nossa conversa sobre o assunto, porém, eu cheguei à mesma conclusão em que ele já havia chegado: não valia a pena.

Continue lendo “Benefícios como estratégia de atração, retenção e motivação”

Bom dia, MD

Saí do carro no estacionamento da empresa e, alguns passos depois, já ouví o primeiro “Bom dia, MD“. Chegando no hall dos elevadores, encontrei mais algumas pessoas e recebí mais alguns “Bom dia, MD“. Caminhando até a minha mesa, muitos outros cumprimentos de bom dia.

Depois de ligar o notebook, conferir a agenda, organizar a mesa e planejar o dia, resolví tomar um café no restaurante e, no caminho até os elevadores, mais alguns “Bom dia, MD“. De volta à minha mesa, uma mensagem na tela do computador “Bom dia, MD, de um colega precisando de uma ajuda.

Isso se repete diariamente, eu cumprimentando as pessoas e sendo gentilmente retribuído; é tão natural que normalmente não me dou conta, mas quando paro para pensar na quantidade de pessoas que trabalham ou já trabalharam comigo, como pares ou funcionários, e que fazem questão de me cumprimentar, eu me sinto realmente bem; faz eu crer que tudo o que eu tenho feito, profissionalmente, vale a pena.

Sendo assim, começando mais uma semana, Bom dia a todos.

MD Alves

Todos querem nosso dinheiro – hoje, amanhã e depois.

boss-fight-free-high-quality-stock-images-photos-photography-money-pocket

 

Para as empresas, já não basta que nós compremos e paguemos por um produto ou serviço – elas querem cada vez mais; precisam de seu dinheiro hoje, amanhã, depois e depois.

Faz tempo que vivemos com uma infinidade de contas a serem pagas regularmente, como água, eletricidade, TV a cabo, telefone etc; já é muita gente competindo por nosso suado dinheirinho, mas sempre há quem acredite que cabe mais uma mão no bolso.

Continue lendo “Todos querem nosso dinheiro – hoje, amanhã e depois.”

Agora sim, internet na casa toda

Um problema bem irritante é a internet sem fio não cobrir a casa inteira e, para acessar com o celular ou tablet, ter que ficar procurando pelo sinal. Eu cheguei a testar os repetidores de wireless que ficam plugados na tomada; são baratos e fáceis de configurar, mas a velocidade cai muito e a cobertura também não é boa; desistí dos mesmos.

A solução definitiva para mim foi usar a rede elétrica da casa para, finalmente, ter internet em todos os cômodos.

Comecei com um Kit Powerline da TP-Link:

O kit é composto de dois adaptadores; o primeiro (menor na foto acima) é conectado ao roteador através de um cabo de rede ethernet que acompanha o kit; a partir daí, sua rede elétrica passa também a trafegar dados; depois de configurado (para clonar sua rede sem fio existente), o segundo adaptador (maior) pode ser conectado a qualquer tomada da mesma rede elétrica para começar a emitir o sinal da rede wireless.

Isso funcionou tão bem, mas tão bem, que me animei a comprar um segundo extensor, desta vez da D-Link devido ao preço (ambos seguem o mesmo padrão PowerLine AV200):

A configuração do D-Link me deu muito mais trabalho (aliás, a documentação de ambos, TP-Link e D-Link, é péssima) mas está funcionando perfeitamente.

Agora a minha casa, de ponta-a-ponta, está com a mesma rede sem fio e com sinal potente. Chega de pontos cegos!

Quem mais odeia os sites bloqueados para não-assinantes?

O país está em ebulição, a crise política está no auge, você procura fontes confiáveis de informação, até para analisar as diversas opiniões e tentar entender o que está acontecendo – aí você bate num muro! A notícia que você quer ler está bloqueada ou o site limita o número de acessos para quem não é assinante. Então você desiste e acessa outro site. No caso estou falando do Estadão, que já é cheio de anúncios e mesmo assim limita o acesso a 15 textos por mês; apenas assinantes tem acesso liberado. Entendo que esse é o modelo de negócios escolhido pelo jornal, espero que tenham sucesso; mas que não é legal, não é. As empresas de notícia precisam desenvolver uma nova forma de gerar renda a partir de seus sites; tanto o acesso limitado (Estadão, Valor e outros) quanto o excesso de anúncios (como a Veja) incomodam muito e espantam os leitores.

Sei que há pequenos truques que acabam com a limitação de acesso e com anúncios, mas seria muito melhor não precisar usá-los e seguir numa relação de ganha-ganha entre leitores e empresas.

MVP – que droga é essa?

Há um conceito muito comum no mundo das startups chamado de MVP – Minimum Viable Product, definido pela wikipedia como:

“Produto Viável Mínimo é a versão mais simples de um produto que pode ser lançada com uma quantidade mínima de esforço e tempo de desenvolvimento”

O meu entendimento de MVP é “colocar no mercado um produto inacabado, mal testado e cheio de problemas“; algo crú, como na imagem acima. O trabalho de testar o produto é transferido para seus usuários incautos, que o compraram e receberam algo incompleto e não totalmente funcional.

Nos últimos tempos venho testando alguns aplicativos que supostamente me ajudariam no processo de editar e atualizar meus blogs; testei o Desk PM, o Blogo e o TextNut, entre outros. E todos são cheios de bugs; alguns erros apenas irritantes e outros que realmente impedem o uso do aplicativo; os desenvolvedores até demonstram boa vontade no começo e tentam prestar um suporte razoável, mas parece que logo desistem e jogam a toalha.

No caso do Desk PM eu cheguei a comprar uma licença mas, após uma atualização, ele começou a apresentar tantos erros bobos (não conseguia incluir um simples link sem que o programa caísse, por exemplo) que eu tive que desistir do mesmo; o desenvolvedor acabou de anunciar que está com foco total em outra startup e não dará mais muita atenção para o Desk PM, ou seja, seus usuários dançaram; e, pelo que entendí, é o segundo produto com o qual esse desenvolvedor faz a mesma coisa.

Com o TextNut foi quase igual; comprei a versão do iOS e estou no período trial no Mac OSX; já perdí documentos, tive que reinstalar os aplicativos uma dúzia de vezes e, agora quando tudo parece estar funcionando – apesar de alguns bugs irritantes – percebo que faltam algumas funcionalidades básicas para este tipo de aplicativo.

Já passei por essa situação com dezenas de outros aplicativos e produtos, colocados às pressas no mercado, com péssima qualidade. Parece que está todo mundo lendo The $100 Startup, montando uma empresa sem qualquer estrutura e colocando um produto incompleto no mercado, só para levantar algum dinheiro fácil.

Resumindo, para mim e até que eu me convença do contrário, MVP é a mesma coisa que se aproveitar e enganar seus clientes, não uma forma inteligente de estruturar uma empresa sólida com usuários fieis.

O Todoist ainda mais poderoso

Eu uso o Todoist continuamente para gerenciar minhas tarefas e para me lembrar das atividades repetitivas (como pagamentos e aniversários) – não me desgrudo dele no Mac e no iOS (iPhone e iPad); a sincronização entre eles é rápida e perfeita.

Com a última atualização do dia 24/02/16 o Todoist ficou ainda mais poderoso no reconhecimento de datas; o blog tem uma página com ótimas dicas sobre isso – é uma leitura altamente recomendada pois aumentará muito sua produtividade.

Apenas como exemplo, podemos incluir uma tarefa como “Pagar a faxineira toda última sexta-feira do mês” que o Todoist reconhece direitinho.